Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Há 20 anos, o Brasil era o segundo maior importador mundial de algodão. Na safra 2018/19, assumiu a posição de segundo maior exportador do produto. O país obtém avanço contínuo na produtividade e na produção dessa fibra nos anos recentes e se torna um dos principais mercados no mundo. Essa evolução, porém, impõe sérios desafios. Entre eles, a logística de escoamento da matéria-prima e a manutenção da qualidade da fibra conforme as exigências do mercado externo. Para Victor Ikeda, analista sênior de grãos e oleaginosas do Rabobank, banco especializado em agronegócio, o algodão vem se adaptando aos diferentes cenários do país ao longo das últimas décadas. O diferencial do produto brasileiro se dá na competitividade e nos custos de produção. Até a metade da década de 1990, a produtividade brasileira se mantinha inferior à da média mundial. Na safra atual, deverá atingir o dobro da média obtida no mundo. Nesse…
A Diretoria Executiva da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) aprovou na sexta-feira (16) a retirada do patrocínio do Portus, o fundo de previdência complementar dos funcionários das Docas. Com isso, seria possível apartar compromissos, dando garantias de que a estatal não assuma dívidas e obrigações de outras patrocinadoras, assegurando o cálculo do valor individual de cada participante do plano. Para que a retirada do patrocínio seja efetivada, a proposta ainda deve ser aprovada pelo Conselho Administrativo da Codesp (Consad), que deve se reunir na próxima semana, e ser autorizada pela Secretaria de Empresas Estatais (Sest) e pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc). “O caminho é longo e temos pouco tempo para viabilizá-lo antes da decretação da liquidação”, disse o presidente da Codesp, Casemiro Tércio Carvalho. Nos últimos meses, estudos foram feitos para resolver, momentaneamente, a crise do Portus. Um plano, envolvendo o aumento da contribuição dos…
A.P. Moller - A Maersk registrou um aumento de 17% no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) para US $ 1,4 bilhão no segundo trimestre em comparação com o mesmo período do ano passado. A receita cresceu para US $ 9,6 bilhões, o que está no mesmo nível do ano passado, e o lucro subjacente aumentou para US $ 134 milhões, de US $ 15 milhões no segundo trimestre de 2018. “O segundo trimestre teve um progresso sólido. O EBITDA subiu 17% e o fluxo de caixa melhorou em 86% em relação ao ano anterior, impulsionado pela contínua recuperação da Ocean ”, afirma Søren Skou, CEO da A.P. Moller-Maersk. Por conta dos aumentos nas taxas de frete e volume, o EBITDA da Ocean no segundo trimestre aumentou 25%, para US $ 1,1 bilhão. Os negócios da Ocean continuaram a se recuperar com o melhor custo unitário, utilização…
A Codesa sobe mais e conquista 91 pontos na certificação do Índice de Governança da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (IG Sest), do Ministério da Economia. A empresa se mantém no Nível 1, entre as estatais federais do país, graças à performance de desempenho. A nota do 4º Ciclo de certificação foi divulgada na manhã desta sexta-feira (9), em Brasília. O diretor Bruno Fardin representou a Codesa e recebeu a certificação. "O índice aponta o avanço da empresa na implementação de mecanismos efetivos de governança e transparência. Foi um salto significativo graças ao esforço dos colaboradores da empresa. A Diretoria da Codesa manifesta muita satisfação com o trabalho da equipe e parabeniza pelo comprometimento e dedicação", destaca Fardin. A coordenadora de Gestão Empresarial, Damiane Tavares Benevides enfatizou o avanço da Companhia nas quatro edições do IG Sest, que subiu a cada ciclo. "O resultado deste quarto ciclo,…
As exportações do agronegócio do Brasil somaram 9,2 bilhões de dólares em julho, uma retração de 3,4% ante igual período do ano passado, após quedas em preços de commodities comercializadas pelo país, informou nesta quarta-feira o Ministério da Agricultura. Segundo nota da pasta, a redução nas cotações da soja, principal produto de exportação do Brasil, foi o fator mais importante para o recuo das receitas com as vendas em julho. Dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) apontam embarques de 7,8 milhões de toneladas da oleaginosa no mês, ante mais de 10 milhões no mesmo período de 2018, uma redução de 23%. Em valores, a queda foi de 31,6%, para 2,8 bilhões de dólares. Por outro lado, parte das perdas com a soja foram compensadas pelo milho, que bateu recorde de exportações no mês tanto em volume quanto em valor, conforme antecipou a Reuters. Os embarques de 6,32 milhões de…
O governo arrecadou R$ 148,5 milhões no leilão de arrendamentos portuários realizado na manhã desta terça-feira (13), na B3, em São Paulo. O valor é referente à soma dos três lotes desse certame. O Ministério da Infraestrutura informou que, desse total, R$ 37,125 milhões serão pagos à vista, na assinatura do contrato, que deve ocorrer em até 120 dias. O restante será pago em cinco parcelas anuais.O prazo de concessão dos três arrendamentos é de 25 anos. Os investimentos previstos nos três terminais são de aproximadamente R$ 420 milhões, de acordo com o ministério.A Hidrovias do Brasil venceu a disputa pela área STS20 no Porto de Santos (SP), destinada à movimentação de fertilizantes e sal. A Aba levou a área STS13A, também no porto santista, que será voltada para movimentação de granéis líquidos. A Klabin ficou com a área localizada no Porto de Paranaguá (PR) destinada à movimentação de carga…
Pela primeira vez equipamentos de grande porte foram descarregados no Porto do Pecém através de um navio porta-contêineres. Os dois transformadores de energia foram produzidos pela empresa WEG e embarcados no Porto de Imbituba, Santa Catarina. Do porto catarinense ao Pecém, o navio conteineiro da linha regular de navegação Aliança levou oito dias para transportar os transformadores de 184,6 toneladas cada. Para que os equipamentos de grande porte fossem descarregados no porto cearense foi preparada uma operação especial, concluída na última sexta-feira (09/08). De acordo com o Coordenador de Operações do Complexo Industrial e Portuário do Pecém - CIPP, José Alcântara, a escolha pelo modal marítimo foi adequado por representar o traslado mais rápido e com menor custo. "Por causa do grande porte dos equipamentos, se fosse feito via terrestre o deslocamento levaria cerca de 30 dias", diz o coordenador. Para que os transformadores fossem descarregados no berço 8 do…
A Agência Nacional de Transportes Aquaviários – Antaq aprovou em reunião da Diretoria, realizada hoje (9), em sua sede, em Brasília, a norma que estabelece parâmetros regulatórios a serem observados na prestação dos serviços de movimentação e armazenagem de contêineres e volumes nas instalações portuárias públicas e privadas, e revoga a norma aprovada pela Resolução nº 2.389-Antaq, de 2012. Entre outros pontos, a norma aprovada estabelece os critérios a serem considerados na cobrança da Taxa de Movimentação no Terminal (Terminal Handling Charge – THC) e do Serviço de Segregação e Entrega (SSE), também conhecido como THC-2. O THC é o preço cobrado a título de ressarcimento das despesas pelos serviços de movimentação de cargas entre o portão do terminal portuário e o costado da embarcação, incluída a guarda transitória das cargas pelo prazo contratado entre o transportador marítimo e a instalação ou operador portuário, no caso da exportação, ou entre…
Sexta, 09 Agosto 2019 09:30

O que é Cabotagem

Por
Cabotagem é a navegação entre portos do mesmo país utilizando as vias marítimas ou vias navegáveis interiores. Na década de 60 e 70 a cabotagem foi uma das propulsoras do crescimento no Brasil. As estradas não atendiam as demandas e com isto, os embarques marítimos se tornaram prioridade de utilização para os grandes volumes de carga em geral. Nas décadas seguinte o que houve foi um abandono total da utilização da cabotagem, sendo apregoado que não era viável devido aos custos que a operação apresentava. Porém, atualmente, descobriram que é muito mais vantajoso este tipo de modal, ou seja, economicamente rentável com a utilização de contêineres. Antes os custos de armazenagens (capatazia) eram muito reduzidos, pois a carga ficava nos armazéns portuários até as operações no navio, ou seja, em torno de 30 dias. A demanda de navios para Manaus (AM) era grande em virtude da zona franca e os investimentos…
Pagina 1 de 227