Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Terça, 03 Julho 2018 11:31

Porto Seco Centro Oeste é o novo operador do Teca Belém

Por Sac Armazenagem

O Grupo Porto Seco Centro Oeste, controlador do empreendimento de mesmo nome localizado no Distrito Agroindustrial da cidade de Anápolis (GO), é o novo operador logístico do Terminal de Cargas (Teca) do Aeroporto Internacional de Belém.

A transição da gestão do terminal faz parte do novo modelo comercial da Infraero, que inclui a expansão do portfólio de serviços e de produtos de logística integrada e a ampliação da parceria com a iniciativa privada, como já aconteceu nos aeroportos de Goiânia, Curitiba, Vitória, São José dos Campos (SP) e Recife.

“Chegamos a Belém para trazer nossa experiência de 20 anos à frente do Porto Seco de Anápolis, para somar conhecimentos, realizar grandes e potenciais negócios na região e para fazer do terminal de Belém um dos maiores terminais do modal aéreo do Norte do Brasil”, comenta o diretor de Operações do Grupo Porto Seco Centro Oeste, Everaldo Fiatkoski Jr.

De acordo com a própria companhia, o objetivo é dar continuidade e aprimorar as operações do Teca, que vem apresentando resultados positivos na movimentação de mercadorias, seja de importações ou destinadas ao mercado exterior. Segundo dados da Infraero, somente no primeiro trimestre deste ano o terminal movimentou 430 toneladas de cargas que, se comparadas ao mesmo período do ano anterior, quando foram processadas 255 toneladas, representam um aumento de 90%.

Já o Porto Seco Centro Oeste é um dos maiores do país e, por sua localização estratégica, alcança 70% da população economicamente ativa do Brasil em um raio de mil quilômetros a partir de Anápolis. Em 2017 foi responsável por 30% de todas as importações do estado de Goiás e movimentou cerca de U$ 970 milhões em mercadorias nas modalidades de contêineres, cargas gerais e granéis sólidos. Além dele, o grupo ainda opera o Terminal Multimodal de Gurupi, no Tocantins.

Fonte: Tecnologística